Posts Tagged ‘On quotes’

Epígrafe de Mark Twain, porque este blog vive de se apoiar nos outros.

agosto 20, 2009

The difference between the right word and the almost right word is the difference between the lightning and the lightning bug.

Bright’s limerick.

julho 21, 2009

There was once a lady named Bright
who traveled much faster than light.
She departed onde day in a relative way
and came home the previous night.

Memeando.

fevereiro 8, 2009

Lá do Silly Talks, chega por aqui um meme que poderia dar um sketch Montypythoniano. Deve-se pegar o livro mais à mão no momento, abri-lo à página 161 e colocar a quinta frase completa aqui. Ei-la:

Sémiologie Psychiatrique.

Meu livro chama-se Psicologia e História em quadrinhos. Ficou entre ele e a História concisa da Literatura Brasileira (ah, estudantes de letras). Fiz um pequeno teste para saber qual o que estava mais próximo. Terminou o de quadrinhos ganhar por muitos centímetros. Deveria estar não mais do que 4,5 cm de alcance da minha esquerda. Quanto à frase, não realmente se conta, mas era isso ou colocar o nome do autor DESSE, jeito. E isto eu simplesmente não pude fazer.

Repasso o meme à quatro velhos meus: Edson, Jean, João Paulo e Thomaz. O quinto, repasso à além-mar, ao mestre João Bandeira.

Extinguishable, por Bill Knot.

dezembro 24, 2008

birthdays you bend and blow out a candle in a skull // it’s always just one candle but each year one more //skull is added to the table which by now is plus full //and that makes this ritual more impossible each year // each year as you approach that crowd of past selves //somewhere down there in all those bone sockets // the annual candle waiting glares and dares you to find it

Madhouse.

novembro 13, 2008

Os filhos da Casa tinham o angustiante hábito de se suicidarem. Bonito, inteligente, homossexual, Rudolf visitou em um bar de Berlim, dissolveu cianeto de potássio em seu copo de leite e morreu imediatamente em agonia. Dois anos antes, Hans Karl desaparecera sem deixar vestígios e é pensado que tenha se matado no mar. Ele era uma criança tímida, desajeitada, possivelmente autista com um talento prodigioso para matemática e música, cuja primeira palavra falada foi: “Édipo”. Ele, também, era pensado ser gay. Kurt parece ter atirado em si mesmo “sem razão aparente” enquanto servia como um soldado na primeira guerra mundial. O filósofo Ludwig afirma ter começado a pensar sobre suicídio quando tinha 10 ou 11 anos. [The House of Wittgenstein, no Guardian]

Ludwig Wittgenstein não se matou. Ao invés disso, escreveu o livro que faria a filosofia começar a chorar e reclamar para sua mãe: It’s not fair!

On an unrelated topic, atualizei o homem por trás do post. Os ásperos solos da vida cotidiana são traduzidos dos rough ground of everyday life nos quais Wittgenstein dizia viver. Sem pretensões: a construção que era boa demais para não usar.

Onanismo.

novembro 13, 2008

Quanto a ti, ao dares esmola, ignore a tua mão esquerda o que faz a tua mão direita, a fim de que tua esmola fique no segredo. (…) (Mt 6,3)

“Dar esmola”: é assim que chamam agora?

Biblioclastia.

novembro 10, 2008

Livros, mesmo sem associação a alguém conhecido, têm, em qualque caso, uma qualidade quase sagrada: é necessesário apenas imaginar alguém rasgando, uma a uma, as páginas de um romance de aeroporto barato e mal-acabado para que se possa prová-lo. Se víssemos alguém a fazê-lo, deveríamos estremecer, e pensar nesta pessoa como um bárbaro, não importa qual seja a natureza do livro. O horror causado pelo incêndio de livros é independente da qualidade dos livros queimados.

Tentei pensar em algo melhor; o ano em que havia comprado o livro, ou a série que frequentava quando ainda era paradidático. Não consegui. Depois de ler este artigo (em inglês, tradução livre), tudo que escrevi ao pegar minha cópia de São Bernardo para conspurcá-la eternamente foi a seguinte inscrição:

Comprado há muito tempo e redescoberto durante o mês de outubro, 2008.

All dinosaurs have tails.

novembro 8, 2008

I thought fast. Children are like wild animals. Actually, after teaching them for a year I think it’s safe to say that they are, in fact, wild animals. If they smell your fear or hesitation they will pounce and you will never be respected again. I looked at the faces of 30 expectant children and knew I needed to give a definitive answer.

In bold letters I wrote on the chalkboard: ALL DINOSAURS HAVE TAILS. Thirty children obediently copied it down into their notebooks. I wondered if any of my grade school teachers BS-ed their way through class as much as I just did.

LeeAnn Marhevsky nos conta sobre sua experiência ensinando crianças de ricos mongóis nas frias ruas de Ulaan Baatar. Seja gritando na sala de aula, seja se desdobrando para controlar os alunos – familiar? – ela nos mostra como se dá educação num país pobre como a Mongólia.

Gin and tonic.

outubro 23, 2008

Despite rationing, Amis managed to find enough sherry to get drunk for the first time in his life, an event which left him vomiting into a chamber pot. He also arranged for his first sexual encounter, through a friend who knew a woman who was willing but had a couple of requests: that he first read a marriage manual, and next, that he lay in a supply of condoms. If Amis’s fictional hints are to be trusted, the experience was less than a success, due to the fact that he did not follow the book’s advice.

Álcool e literatura não raro andam de mãos dadas. Brendan Behan definiu-se como um drinker with a wrinting problem. Scott Fitzgerald e Hemingway bebiam juntos, e tem até aquela estória da aposta no bar pra ver quem tinha o maior, a-ham, membro. Aqui pode-se encontrar um enorme, excelente trecho do livro A Drinking Companion, onde Kelly Boler narra as patuscadas de Kingsley Amis, especialmente a maior de todas elas: sua vida. Recomendo bastante.

E Mike Nichols disse:

setembro 16, 2008

“Faça-se a comédia romântica.”