Posts Tagged ‘On music’

Como Sísifo.

fevereiro 24, 2010

A música de bolso – dos reprodutores de som portáteis – servem um propósito maior do que o simples entretenimento auricular: não é mais emocionante retornar à casa ao som de uma power balad do que ao de carros esquentando pela avenida? A espera pelo coletivo não se intensifica ao som de uma guitarra elétrica? O simples ato de abrir a geladeira não escapa da mundaneidade quando acompanhado de um baixo freneticamente monocórdico? Há um propósito aqui; uma vontade: os fones isolam nossos ouvidos do zunido prosaico do mundo para que, através da música, nossa vida adquira, enfim, algum sentido.

Passe o cursor por cima da imagem.

setembro 26, 2009

O time que cuida das imagens enviadas pela sonda espacial Cassini, regidos por Carolyn Porco.

Dança interpretativa.

setembro 16, 2009

1969, ano do Hip-hop.

agosto 8, 2009

The Beatles, pais do Hip-hop contemporâneo.

Com Abbey Road, os Beatles marcaram o início da Era do Rap.

Mal sabiam os quatro rapazes de Liverpool – já homens em 1969 – como suas músicas influenciariam tantos garotos afro-americanos, de tal maneira que alguns destes tornar-se-iam artífices do gueto: as melodias mal-acabadas de Paul McCartney, emendadas por George Martin no Long Medley; os dilemas existenciais de John Lennon sobre mulheres comíveis, apesar de gordas – I want you (she’s so heavy); as contribuições de George Harrison a inevitabilidade do ciclo de vida apocalíptico do Sol, culminando na total destruição da Terra – Here comes the Sun; e a ode de Ringo Starr a Cthulhu e H.P. Lovecraft com o clássico Octopus’s Garden.

Estas composições, cada uma genial em si mesma e únicas na construção do derradeiro álbum dos Beatles, mudariam as vidas de Ice Cube, RZA, Jay-Z e Sean Puff  Diddy Daddy-O Combs: todos nascidos no derradeiro ano de 1969, o ano do Hip-hop.

Don’t let the ball drop.

julho 25, 2009

The Singing Detective.

janeiro 10, 2009

In my dreams, you told me that you really, really care. // In my dreams, you told me: it’s a love that can’t compare. // So hold me, hold me, hold me, and never ever let me go.

Com Robert Downey Jr., Robin Wright Penn e Mel Gibson.

Ladies and gentlemen, Steven Wright.

outubro 18, 2008

I asked my girlfriend "have you ever had sex with a woman?", and she said "no.", and I said "you should try. It's really fun."

Do álbum I still have a pony, o comediante Steven Wright e seus incríveis one-liners:

I’m addicted to placebos. I could quit, but it wouldn’t matter. // You know, the Earth is bipolar. // My teacher asked us, if we could be any animal in the world, what animal would we be? So I raised my hand and said “a bird” , and she said “why? So you could fly?”, and I said “no. So my shit would be white.” // My nephew has HDADD. High-definition-attention-déficit-disorder. He can barely pay attention, but when he does its unbealivably clear. // Jesus turned a lot of people off, you know. “Would you stop turning the water into wine, I’m trying to take a shower!” // You know when you look at a star, and it may not even be there anymore, ‘cause it takes so long for the light to get from there to here, and it may be gone, just it looks like it still there? That’s how I see my old girlfriends.