Archive for novembro, 2008

Entrevista com James Wood.

novembro 27, 2008

No Marketplace of Ideas.

Anúncios

Periodista.

novembro 25, 2008

Não sou nenhum, mas periodista é ou não é mais bonito que jornalista?

Roubaram-me a escova de dentes.

novembro 25, 2008

Esconderam-na, trocaram-na, coisa que o valha. Não a encontro no banheiro. Estou tendo de escovar os dentes com o jurássica escova elétrica, cujas pilhas não encontro coragem para reabastecer. Na pressa, vi-me encurralado: tive de apelar para o Listerine. Cool Citrus. E nada mais. Envergonhado de meu pecado higiênico, retirei-me do banheiro cabisbaixo e calado. Repetia, com meus botões: não tive escolha, não encontrei a escova, não havia mais tempo, não tive escolha. Tentava me enganar, mas eu sempre soube que eu nunca fui bom em mentir.

+ Sobre How Fiction Works.

novembro 24, 2008

The language of literary criticism, Wood says, must be literary, “which is to say metaphorical.”

This is a provocative idea, but it is based on several false premises and, indeed, faulty metaphors. Literary criticism may share its subject’s language, but unlike music or painting, words can also be used to form concepts. Language is not only representational and emotive–that is, literary–it is also logical and analytic–that is, critical.

Sr. William Deresiwiecz, a julgar por nefelibata o Sr. James Wood, no The Nation. O que o Sr. Deresiwiecz critica no Sr. Wood – his looseness – seria justamente aquilo que eu elogiaria na escrita de How Fiction Works. “Dar respostas de um escritor às perguntas da crítica”, como explica o Sr. Wood no começo do livro, acerca do seu propósito. O Sr. Deresiwiecz – cujo nome coloquei no ctrl+v para agilizar – procura razão e lógica nas palavras de How Fiction Works. Não encontra. Procura consistência – JW troca literatura por ficção várias vezes, escreve ele. Também não há acha. Procura, enfim, um autor, uma linha guia, onde tudo que há é simplesmente um livro.

Ad infinitum.

novembro 21, 2008

Ocorreu-me certa idéia, talvez absurda: começaria escrevendo uma pequena história neste blog; um post e nada mais. Não a continuaria, e passaria seu encargo para outro blog, talvez algum da lista ao lado. Como num meme. Continuaria o enredo noutro blog até o momento em que fosse ser passada à frente novamente, para outro blog ainda. E neste a história continuaria, até que fosse para outro blog, e deste para outro e outro… Até que para entender o enredo, o leitor teria de atravessar todos e tantos os blogs pelos quais história mesma passou. Ela seguiria, incontrolável, e se perderia nos hyperlinks da blogosfera, até que seu começo não pudesse mais ser encontrado. E, então, finalmente, ela deixaria de ser história para tornar-se fábula.

233º.

novembro 21, 2008

Skating the night away.

Christmas.

novembro 21, 2008

Um gole, um olhar distante, um sorriso.

– Nós deveríamos sair para dançar qualquer dia.

– O café está bom?

Outro gole. Silêncio. O café estava bom, sim, mas pensava ainda naquela noite de natal, no rinque do Rockefeller Center. Skating the night away.

De Backups, Formatações e Atualizações.

novembro 20, 2008

Estou de férias: não há justificativa para passar mais de uma semana sem postar.

Contudo, minha placa de rede – o troço que me conecta à interweb – desistiu de funcionar semana passada. Não fossem os filmes e os livros que acabara de adquirir, acredito que não possuiria sanidade o suficiente para escrever estas linhas. Desprovido de acesso a rede munidal de servidores, comprei-me um novo adaptador de rede, formatei meu disco rídigo, reinstalei o Windows, coloquei os drivers nos lugares certos e aqui estou, triunfante.

Providencial, arriscaria dizer, minha ausência inesperada: deu-me tempo para terminar de ler o How Fiction Works, e já pensar em como falarei sobre ele nos posts vindouros. Por ora, basta que é um livro muito bom; acadêmico, sim, mas sem ser pretensioso – é difícil, hein?.

Minha conta no iGoogle conta 184 atualizações, entre blogs e webcomics. Let the reading begin!

novembro 15, 2008

– But I love you!

– You love what you love and I love what I love, and no one can change that.

Chegou! Chegou!

novembro 14, 2008

Acabou de chegar o meu How Fiction Works! Hail Amazon!

\o/