Da arte de traduzir títulos de filmes ou Harry Potter e o Príncipe Mestiço.

outubro 9, 2008

Encurralado (Duel, 1971)

David Mann versus o misterioso motorista do caminhão: Duel. Óbvio, certo? Aparentemente, não. Por aqui, ficou Encurralado, que se aproxima bem mais do tom de tensão do filme. Afinal, não se trata de um western, e nem Dennis Weaver é John Wayne. Pelo contrário, é um homem comum sendo perseguido por um gigante Peterbilt 281. David Mann não confronta o misterioso caminhão, mas se encontra encurralado por este.

O Poderoso Chefão (The Godfather, 1972)

Marlon Brando como O Padrinho? Não funcionaria nem em caixa alta, meu caro. Não há como transmitir o poder bíblico que “God” e “Father” apresentam quando juntos na mesma palavra. Tiremos, então, o poder do substantivo e coloquemo-no num adjetivo. Melhorou, mas ainda não chegamos à natureza larger than life de Brando. Recorremos ao aumentativo? Estamos tão desesperados? O Poderoso Chefão: could work.

Guerra Nas Estrelas (Star Wars, 1977)

Durante a produção, ninguém acreditava que estavam fazendo o que estavam fazendo. Alguém por aqui entendeu e colocou a preposição no meio do título. Assim, além de dividí-lo em duas partes equivalentes – Guerra tem seis letras e Estrelas tem sete – ainda escapou do cafoníssimo Guerras Estelares.

Corpo Fechado (Unbreakable, 2000)

Unbreakable. Se fosse quadrinho, não dava certo: somente a big screen seria capaz de agüentar um título enorme como esse. Unbreakable! Formidável. E impossível de traduzir. Inquebrantável? Bruce Willis não está inquebrantável aqui: ele está unbreakable, ora bolas! Que fazer, então? Simples: se o título é grande demais para ser traduzido numa única palavra, quebre-o em duas outras, que, de preferência, não tenham muito a ver com o original, mas que sejam tão boas quanto. (Vide O Poderoso Chefão). Corpo Fechado? Original, sucinto, esotérico: jackpot.

Closer – Perto Demais (Closer, 2004)

Mais Perto, além de não ter a rapidez de Closer, ou a proximidade ortográfica com close (o recurso cinematográfico de aproximar a câmera do rosto do ator, de modo a deixar somente a face deste em cena), também não tem a urgência de Perto Demais. Poderíamos até recorrer ao chega mais perto dos enamorados, mas convenhamos: este não é um filme de amor.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: